quarta-feira, 30 de abril de 2008

Letras Traduzidas - The Garden Of Unearthly Delights (2005)

The Garden Of Unearthly Delights (2005)

Lee Dorrian – Vocals

Garry ‘Gaz’ Jennings – Electric and Acoustic Guitars

Leo Smee – Bass Guitar

Brian Dixon – Drums

Dearth AD 2005 (Jennings/Dorrian/Dixon/Smee)
Burning witches…
We still…???????
Burning witches…

Escassez AC* 2005 (Jennings/Dorrian/Dixon/Smee)
Queimando bruxas…
Nós ainda…???????
Queimando bruxas…

*AC – Ano De Cristo


Tree Of Life & Death (Jennings/Dorrian/Dixon/Smee)
In the garden of creation, stands a skeletal tree
Hanging from its branches, afterbirth of Adam & Eve
Blossomed in mutation, burning through centuries
Tortured minds, heinous crimes plague God's family

Procreation - From decay and sand
Transmutation - Pains this fated land
Lifeless earth - All love bereft
No life left - On the tree of life and death

Slug like dead existence, our feeding hunger breeds
Master of future decay sowed his deadly seed
Roots of evil ate away our fruits of destiny
Thorns of human nature stabbed hearts of the free

Procreation - From decay and sand
Transmutation - Pains this fated land
Lifeless earth - All love bereft
No life left - On the tree of life and death

Ogun*! Malungu*! Kalumba*!
Kintu*! Oloron*! Mukuru*!

Original sin...

In the garden of existence
Hanging from temptation's tree
There's a carnival of mutations
Growing from man's fated seed

Leza*! Marasu*! Chiuta*!
Nzumbi*! Osawa*! Zanahary*!

God's offspring ate the apple, creating lust envy
Sucking, puking leaches - A catastrophe of greed
Garden of temptation, lured by serpent's creed
Moral desolation eternally diseased

Procreation - From decay and sand
Transmutation - Pains this fated land
Lifeless earth - All love bereft
No life left - On the tree of life and death
*Meaning of the gods names at:
www.pantheon.org and www.godchecker.com

A Árvore Da Vida & Da Morte(Jennings/Dorrian/Dixon/Smee)
No jardim da criação, tem uma árvore esquelética
Pendurada em seus ramos, a placenta da cria de Adão e Eva
Desabrochada em mutação, queimando através dos séculos
Mentes torturadas, crimes hediondos praguejam a família de Deus

Procriação – De podridão e areia
Transmutação – Dói nessa terra condenada
Terra sem vida – Toda desprovida de amor
Nenhuma vida restou – Na árvore da vida e da morte

Como lesmas que estão morrendo, nossa fome só aumenta
O mestre da decadência do futuro plantou sua semente mortal
As raízes do mal devoraram os frutos do nosso destino
Os espinhos da natureza humana espetaram os corações dos livres

Procriação – De podridão e areia
Transmutação – Dói nessa terra condenada
Terra sem vida – Toda desprovida de amor
Nenhuma vida restou – Na árvore da vida e da morte

Ogum*! Malungu*! Kalumba*!
Kintu*! Olorum*! Mukuru*!

Pecado original...

No jardim da existência
Pendurado na árvore da tentação
Tem um carnaval de mutações
Crescendo da semente fadada do homem

Lissá*! Marasu*! Chiuta*!
Nzumbi*! Osawa*! Zanahary*!

Os rebentos de Deus comeram a maçã, criando luxúria e inveja
Chupando, vomitando o bagaço – Uma catástrofe da ganância
Jardim da tentação, atraente pela crença na serpente
Desolação moral, eternamente doente

Procriação – De podridão e areia
Transmutação – Dói nessa terra condenada
Terra sem vida – Toda desprovida de amor
Nenhuma vida restou – Na árvore da vida e da morte

*Siginificado do nomes dos deuses: www.pantheon.org e www.godchecker.com, e também fazendo buscas sobre 'mitologia africana/deuses africanos' no Google.


North Berwick Witch Trails (Jennings/Dorrian/Dixon/Smee)
Spoken: "And the veredict of this court is that you'll be taken from here to a place of execution, where you will be hanged by the neck, until you are dead…dead...

May the Lord have mercy of your souls.”

Grand master of the Sabbath, John Fane
Told his coven gathered "Kill King James"
Wax a figure of his image and wrap it in his clothing
Burn it slowly whilst he is sleeping

Feed him with poison - Bring the monarchy down
Our sin is rebellion, in black arts crowned

3 covens of 39
In 1591, that night, performed a rite
A grand Sabbath, with one aim in sight:
To destroy the king of England

Create a storm, whilst overseas he sails
To bring his Danish bride back to these isles
They christened a cat in his name, threw it in a pond no shame
A tempest was aroused - Who should be blame?

Hunt down those witches - Confess or die
Sink or swim - They're guilty! Let's hang 'em high

3 covens of 39
In 1591, that night, performed a rite
A grand Sabbath, with one aim in sight:
To destroy the king of England

Witchcraft spreading all around this Christian land
Find them, burn them to the ground - Their souls condemned

Their ill fated curse failed, so the king held trail
The first great persecution of the British Isles
An imp sucks a spinster's nipple, a hare drains milk from cattle
A clergy fornicate at the black dog's ball

Pierce flesh with needles - Three inches in
If they scream, they're guilty - Guilty as sin

3 covens slaughtered that night
39 crucified, burned and hanged alive
Interrogated at our first witch trails
Sentenced by the king of England

Caça Às Bruxas De North Berwick (Jennings/Dorrian/Dixon/Smee)
"E o veredicto dessa corte é que vocês serão levadas daqui para um lugar de execução, onde vocês serão penduradas pelo pescoço até que estejam mortas... mortas...
Que o Senhor tenha piedade de suas almas”

Grande mestre do Sabá, John Fane
Disse para sua congregação reunida “Matem o Rei James”
Façam uma figura de cera dele e cubram com a roupa dele
Queimem ela devagar enquanto ele estiver dormindo

Alimente-o com veneno – Derrubem a monarquia
Nosso pecado é rebelião, corada por artes negras

3 congregações de 39
Em 1591, naquela noite, realizaram o ritual
Um grande Sabá, com uma meta em vista
Destruir o rei da Inglaterra

Forma-se uma tempestade, enquanto ele cruza o mar
Para trazer sua noiva Dinamarquesa de volta pra essas ilhas
Eles batizaram um gato em nome dele, jogaram-no num tanque sem dó
Uma tempestade foi provocada – Quem deveria ser culpado?

Cacem e tragam aquelas bruxas – Confessem ou morram
Afundem ou bóiem – Elas são culpadas! Vamos pendurá-las bem alto

3 congregações de 39
Em 1591, naquela noite, realizaram o ritual
Um grande Sabá, com uma meta em vista
Destruir o rei da Inglaterra

Bruxaria se espalhando por toda essa terra Cristã
Encontrem-nas, queimem-nas até a morte – As almas delas condenadas

A maldição mal intencionada delas falhou, então o rei iniciou uma caçada
A primeira grande perseguição da ilhas Britânicas
Um bastardo mama nos peitos de uma solteirona, uma lebre toma leite do rebanho
Um clérigo fornica com a vontade de um cão preto

Espetem a carne com agulhas – Três polegadas pra dentro
Se elas gritarem, elas são culpadas – Culpadas sem dúvida

3 congregações massacradas naquela noite
39 crucificadas, queimadas e enforcadas vivas
Interrogadas em nossa primeira caça as bruxas
Sentenciadas pelo rei da Inglaterra


Upon Azrael's Wings (Jennings/Dorrian/Dixon/Smee)
Riding on the flames of death into this last night, fear relents
As we race through skies, 'pon Azrael's wings
He has come to set us free from this earthbound misery
Father of macabre, you possess the key

To heavens black galactic morgue
Chosen few, seek your reward
In solitude, perpetual silence
Cosmic womb, eternal solace

Embracing cosmic mysteries to world's below, he's sent a wreath
Elated black angel, our requiem, he sings
As tears of Nebula fill black holes, drowning galaxies of lost souls
We continue our ascent to heavens low

No turning back from galactic morgue
Chosen few, find your reward
In solitude, perpetual silence
Cosmic womb, eternal solace…Ooh!

Colossal grave of shadows - Extinction of mankind
Eternal morgue of sorrows - No beauty left behind

Void of shadow - Man's colossal grave
Ball of ash into zero fades
Nothing left to mourn, yeah…all has died ever born
Barren voyage, static drone - Stark oblivion reigns so cold
Dropped out our existence, we've found our home

In heaven's black, galactic morgue
Chosen few, have found our reward
In solitude, perpetual silence
Cosmic womb, eternal solace…Hey!

Sob As Asas De Azrael(Jennings/Dorrian/Dixon/Smee)
Caminhando pelas chamas da morte pra dentro dessa última noite, o medo se abranda
Enquanto corremos pelos céus, sob as asas de Azrael
Ele veio pra nos libertar dessa miséria terrena
Pai do macabro, você possui a chave

Para o necrotério galáctico escuro dos céus
Poucos escolhidos, buscam recompensa
Em solidão, silêncio perpétuo
Útero cósmico, consolo eterno

Abraçando mistérios cósmicos do mundo lá embaixo, ele mandou uma grinalda
Eufórico anjo negro, nosso réquiem, ele canta
Enquanto lagrimas de nebulosas preenchem buracos negros, afogando galáxias de almas perdidas
Nós continuamos a subir para o céu humilde

Não há volta do necrotério galáctico
Poucos escolhidos, buscam sua recompensa
Em solidão, silêncio perpétuo
Útero cósmico, consolo eterno... Ooh!

Tumba colossal de sombras – Extinção da humanidade
Eterno necrotério de tristeza – Nenhum beleza foi deixada

Vácuo de sombras – A tumba colossal do homem
Uma bola de cinza desaparece no nada
Nada sobrou para lamentar, yeah... tudo que um dia nasceu está morto
Viagem estéril, monotonia estática – O completo esquecimento reina tão frio
Excluídos de nossa existência, nós encontramos nosso lar

No necrotério galáctico escuro dos céus
Poucos escolhidos, encontraram nossa recompensa
Em solidão, silêncio perpétuo
Útero cósmico, consolo eterno... Hey!


Corpsecycle (Jennings/Dorrian/Dixon/Smee)
Corpsecycle!

Living dead of London town, flesh vessels underground
Mourning suits, burial gowns
9 to 5's doleful sound, pallid faces, office bound
Mortuary all year round

Corpsecycle...is life circle
Life circle...is corpsecycle

Life is passing away
Society eats your mind away

Walking corpses, vacant slaves, banking rottenness decay
Saving cash for early graves
Utopia is coffin shaped, wealth hungry drugged rats chase
Empty dreams of a better place

Corpsecycle...is life circle
Life circle...is corpsecycle

Life is passing away
Society eats your mind away

(Truth fades away...)
Truths fading farther day by day, to material enslaved
(Die with the world...)
Die with the world as they awake, in the rat race they rotate…Corpsecycle...

Degenerations zombified, oblivions in the tombstone line
Corpse fucking their way through time

Corpsecycle...is life circle
Life circle...is corpsecycle

Life is passing away
Society eats your mind away

Life has passed you away (Flesh turned to grey)
Society ate your mind away

Cicladáver (Jennings/Dorrian/Dixon/Smee)
Cicladáver!

Mortos vivos da cidade Londres, vassalos de carne no metrô
Ternos deprimentes, casacos de enterro
O som doloroso das 9 as 5, rostos pálidos, em direção ao escritório
Mortuário o ano inteiro

Cicladáver... é o ciclo da vida
O ciclo da vida... é o cicladáver

A vida está passando
A sociedade devora sua mente

Cadáveres ambulantes, escravos ociosos, amontoando-se na podridão
Guardando grana para tumbas prematuras
A utopia tem formato de caixão, a fome pela riqueza dopou a caçada dos ratos
Sonhos vazios de um lugar melhor

Cicladáver... é o ciclo da vida
O ciclo da vida... é o cicladáver

A vida está passando
A sociedade devora sua mente

(A verdade some...)
A verdade sumindo mais a cada dia, para os escravos dos bens materiais
(Morrem com o mundo...)
Morrem com o mundo assim que acordam, na corrida de ratos eles rodam... Cicladáver...

Degenerações zumbificadas, esquecidas na fila das lápides
O cadáver está fodendo o caminho deles através dos tempos

Cicladáver... é o ciclo da vida
O ciclo da vida... é o cicladáver

A vida está passando
A sociedade devora sua mente

A vida passou por você (A carne ficou cinza)
A sociedade devorou o sua mente


Fields Of Zagara (Jennings/Dorrian/Dixon/Smee)
Instrumental

Campos De Flor De Laranjeira(Jennings/Dorrian/Dixon/Smee)
Instrumental


Oro, The Manslayer (Jennings/Dorrian/Dixon/Smee)
Under war torn sodden skies, bleeding axes, anguished eyes
Fight upon an earth that died, raped by corporate scythe
Streets are red, sun turned to grey, nature's beauty has decayed
Swans lay dead on empty lakes – Love… Oh, man forsakes

Fear his wrath as man blood flows – Innocence, now no one knows
Rites of virtue, we've disposed - Heaven's door solemnly closed
Cities crumbled to the ground, deformed crosses mark the land
Carnage lingers all around - No refuge for the damned

Damned, yeah!

Eyes of death look upon this earth
Destroyed by mankind's curse
Retribution, mutilation - Desecrate, avenge

Oppressive tyrants to him, fall - One by one, he reaps their soul
Tearing death from their control, elated by the rising toll
Slaying masters and their laws, who destroyed our world with force
Oro gives unto the poor swords to join him, in this war

Eyes of death look upon this earth
Destroyed by mankind's curse
Retribution, mutilation - Desecrate, avenge

Battlefield of charnel air - Land, sea, earth, now laid bare
Morgue of solitude we share - No mercy for our prayers
Laying down his bloody sword, Oro leaves us our reward
Silent vacuum, endless floor - Gone forevermore

Eyes of death, gazed upon this earth
Destroyed by mankind's curse
Retribution, mutilation - Desecrate, avenge

Oro, O Assassino Do Homem (Jennings/Dorrian/Dixon/Smee)
Sob céus encharcados de guerra, machados sangrando, olhos angustiados
Lutam sobre uma terra que morreu, estuprados pela foice dos aliados
As ruas estão vermelhas, o sol ficou cinza, a beleza da natureza se decompôs
Cisnes estão caídos mortos em lagos vazios – Amor.... oh, o homem abandona

Temem a ira dele enquanto o sangue do homem corre – Inocência, agora ninguém conhece
Rituais da virtude nós preparamos – A porta do paraíso solenemente se fechou
Cidades desmoronaram ao chão, cruzes deformadas marcam a terra
Carnificina se acumula por toda parte – Sem refúgio para os condenados

Condenados, yeah!

Os olhos da morte olham sobre essa Terra
Destruída pela maldição da espécie humana
Retribuição, mutilação – Profanem, se vinguem

Tiranos opressores diante dele caem – Um por um, ele ceifa as almas
Arrancando a morte do controle deles, excitado pelo preço da ascensão
Assassinando mestres e suas leis que destruíram nosso mundo a força
Oro dá aos pobres espadas para juntarem-se a ele nessa guerra

Os olhos da morte olham sobre essa Terra
Destruída pela maldição da espécie humana
Retribuição, mutilação – Profanem, se vinguem

O campo de batalha com o ar cheirando morte – Terra, mar, planeta agora são revelados
O necrotério da solidão nós compartilhamos – Sem piedade para nossas preces
Repousando sua espada sangrenta, Oro nos deixa nossa recompensa
Vácuo silencioso, um chão sem fim – Foi-se para sempre

Os olhos da morte olham sobre essa Terra
Destruída pela maldição da espécie humana
Retribuição, mutilação – Profanem, se vinguem


Beneath A Funeral Sun (Jennings/Dorrian/Dixon/Smee)
Ghost of war smiling - Damnation is nigh
Humanity abandoned - Atrocity is rife
Moral desolation - Future in decline
Final devastation - We shall pay the price

Funeral sun, devoid of fire (Harmless and cold)
Hangs above our burning pyre (Harmless and cold)

Earth is falling – Mother…please
Save our sinners – Father…please

Plastic churches melting, fanatics getting high
On fumes of Armageddon - God didn't lie

Fatal acts towards man's extinction (Harmless and cold)
Form a scythe in his reflection (Harmless and cold)

Earth is falling – Mother…please
Save our sinners – Father…please

Haunting silence, desolate gloom
Spectral visions of planet doomed

Star shaped crucifixes, cosmic tomb
Tranquil void awaits us soon

Black drapes overhanging - A vulture’s paradise
World leaders celebrating wargasmic genocide
Undertakers laughing at cost of sacrifice
Ghost of man is fading - No signs of afterlife

Funeral sun devoid of fire (Harmless and cold)
Mourns in sleep at rest retired (Harmless and cold)

Earth has fallen - No more pleas
Mankind's burning (Spectral flees)

Debaixo De Um Sol Fúnebre(Jennings/Dorrian/Dixon/Smee)
O fantasma da guerra sorrindo – A condenação está perto
Humanidade abandonada – Atrocidade é freqüente
Desolação moral – Futuro em declínio
Devastação final – Nós pagaremos o preço

Sol fúnebre, destituído do fogo (Inofensivo e frio)
Se pendura sobre nossa pira funerária (Inofensivo e frio)

A Terra está caindo – Mãe... por favor
Salve nossos pecadores – Pai... por favor

Igrejas de plásticos derretendo, fanáticos pirando total
Nos fumos do Armageddon – Deus não mentiu

Atos fatais para a extinção do homem (Inofensivo e frio)
Formam uma foice em seu reflexo (Inofensiva e frio)

A Terra está caindo – Mãe... por favor
Salve nossos pecadores – Pai... por favor

Silêncio assustador, melancolia desolada
Visões espectrais de um planeta condenado

Crucifixos em formato de estrela, tumba cósmica
O vácuo tranqüilo nos aguarda em breve

Vestes negras penduradas lá em cima – Um paraíso de abutres
Lideres mundiais celebrando o genocídio orgasmiguérrico
Agentes funerários gargalhando às custas do sacrifício
O fantasma do homem está desaparecendo – Nenhum sinal de vida eterna

Sol fúnebre, destituído do fogo (Inofensivo e frio)
Lamenta no sono de sua aposentadoria (Inofensivo e frio)

A terra caiu – Chega de suplícios
A espécie humana queima (Espectros fogem)


The Garden (Jennings/Dorrian/Dixon/Smee)
Part 1 (Thorns Of Creation)
New light has formed from the darkness torn
Of dust and sand, mankind is born
Our garden evergreen, its flowers so serene
We sing along with birds, naked…free

Curiosity, led us to a tree
We ate from it the fruits of poisoned destiny

Part 2 (Trouble In The Garden)
a)
Horns of goat, tongue of serpent
Head of dog, body of man

He has chosen to pervert God's land
In his heaven - The garden of unearthly delights

b) Flowers of blood grow in love's garden
Upon the black grass of our betrothal

We have chosen to pervert God's land
This is our heaven - The garden of unearthly delights

Part 3 (Into The Valley Of Violet Orchids)
I) Cadaverous Butterfly

Stillborn beauty greets the air
Cadaverous butterfly draws near
Skullish face - Scarlet wings
Eerie grace of death, she brings

Haggard marble crosses bare
Entrance to her pesty lair
Skullish face - Vampire wings
Demon's ace - Fluttering

Poisoned perfume leads you there
Carnivorous insect has you snared
Fallen prey - Mesmerized
Skullish face - Eats your eyes

Haggard marble crosses bare
Entrance to her pesty lair
Skullish face - Vampire wings
Demon's ace - Fluttering

Poisoned perfume leads you there
Carnivorous insect has you snared
Fallen prey - Mesmerized
Skullish face - Eats your eyes, yeah...

II) Blind Man's Gaze
In steaming woodlands, you awake
Eyes drip the blood
Rats digging a grave at your feet
As storm clouds gather above

In earth's garden, nature sings man's requiem

Dump, numb, lost on cold ground
Whilst spiders explore your flesh
Raise your head from mossy stone
And slimy dew, in which you rest

In death's sanction, all life's beauty is its end

Part 4 (Flight Of The Reaper)
I) Court Of The Cosmic Judge

Witching moon burning, frozen sun ashamed to rise
Earth's vampires thirsting for a final taste of life
Flight of the reaper - Coming to greet man's end
Cosmic judge awakens – From his council, we're expelled

White dove on fire, flies into Azrael's sky
Black winged messiah - Accepts man's sacrifice
Flight of the reaper - He arrives at his promised land
Our funeral curator - Cups the earth with skeletal hands

II) Tunnel Of Death

Part 5 (Alarm Bells In Paradise)
I) Mourning Of A Paused Dawn

Dawn, creeps on
As night, withdraws
Orchid sun
Rises, paused

II) Black Bulbophyllum Sunrise
Bulbophyllum Barbigerum
Purpureorchis Dyanum
Dendrochilum Cobbianum
Orchis Mascula

Exit the valley of violet orchids
Exit the valley of violet orchids

Part 6 (Exit The Valley Of Violet Orchids)
I)
Through the concrete meadows of life
You pass the valley of death
Rejoin the ghoulish droll procession
You thought you had left

Orikifirus sends down hearses
From the kingdom of our dead sun
Whores to oblivion now are taken...
To your promised land

II) Chains Of Mortality
Burning in the flames of piety and shame
A pure, divine existence can't be reborn again

For your virtue, there is no reward
Grand illusions of a heaven flawed

Break the skeletal chain, thoughts reborn again
Devoid of life’s aflame - An existence profane

Celebrating our freedom
In this prison of God's kingdom

Part 7 (i.e. Part 2)
c)
Back To The Garden
Fireless sun, morgue like planet
Deceased minds now control it

We have chosen to accept God's land
Is this our heaven? - The garden of unearthly delights

Part 8 (Pool Of Sleeping Minds)
I couldn't figure out clearly what Lo Polidoro is saying, but it is a starting point anyway.

I know that you have drunk from the pool, with that sweet sorrow
That same torment of remembering too much, too soon
Do if it would not for that stained
That shade of darkness night, none would see the flame
That eternal spark posed to ablaze the world
To set every heart ablaze with his passion
You must be burned through it, his love

And you'll notice might passions, would scatter in the night
Would scatter of the flames you gave her
Your tear filled eyes and you dry the?????????
Our words are the seeds that only grew the fears of ???????????????
It spirit's ripe from understanding, who shall manifest in true full
And then shall change it for ???????????? truth and remember where they came

Part 9 (Endtyme)
Soldiers now walk through the streets so cold
Concrete walls, dark buildings toll
Our garden has turned grey, its beauty gone away
Earth became a grave for nature's way

Seeds of decay have grown into today
Endtyme has come - All light fades away

O Jardim (Jennings/Dorrian/Dixon/Smee)
Parte 1 (Espinhos Da Criação)
Nova luz se formou da escuridão que se rasgou
Do pó e da areia, a espécie humana nasce
Nosso jardim perene, suas flores tão serenas
Nós cantamos junto com os pássaros, nus... livres

A curiosidade nos levou até uma árvore
Nós comemos dela os frutos do destino envenenado

Parte 2 (Problema No Jardim)
a)
Chifres de bode, língua de serpente
Cabeça de cachorro, corpo de homem

Ele escolheu perverter a terra de Deus
No paraíso dele – O jardim dos prazeres antinaturais

b) Flores de sangue crescem no jardim do amor
Sobre a grama negra de nosso noivado

Nós escolhemos perverter a terra de Deus
Este é o nosso paraíso - O jardim dos prazeres antinaturais

Parte 3 (Dentro Do Vale Das Orquídeas Violetas)
I) Borboleta Cadavérica

Beleza natimorta saúda o ar
A borboleta cadavérica se aproxima
Rosto esquelético – Asas de vampiro
A graça sinistra da morte, ela traz

Cruzes de mármore estragadas aparecem
Entrada pro seu covil pestilento
Rosto esquelético – Asas de vampiro
Demônio astuto – Se agitando

Um perfume venenoso te leva até lá
Um inseto carnívoro tem você emboscado
Presa abatida – Hipnotizada
Rosto cadavérico – Devora os seus olhos

Cruzes de mármore estragadas aparecem
Entrada pro seu covil pestilento
Rosto esquelético – Asas de vampiro
Demônio astuto – Se agitando

Um perfume venenoso te leva até lá
Um inseto carnívoro tem você emboscado
Presa abatida – Hipnotizada
Rosto cadavérico – Devora os seus olhos, yeah...

II) O Olhar Do Homem Cego
Em florestas enfumaçadas, você acorda
Dos olhos pingam o sangue
Ratos cavam uma tumba em seus pés
Uma nuvem de tempestade se forma lá em cima

No jardim da Terra, a natureza canta o réquiem do homem

Acabado, entorpecido, perdido em solo frio
Enquanto aranhas exploram sua carne
Levante sua cabeça da pedra musgosa
E com orvalho grudento na qual você descansa

Sob a sanção da morte, toda a beleza da vida chega ao fim

Parte 4 (O Vôo Do Ceifador)
I) A Corte Do Juiz Cósmico

A lua enfeitiçada queimando, o sol congelado com vergonha de se levantar
Os vampiros da Terra com sede pelo último gosto da vida
O vôo do ceifador – Vem saudar o fim do homem
O juiz cósmico desperta – De sua câmara, nós somos expulsos

Pomba branca em chamas, voa para o céu de Azrael
Messias de asas negras – Aceita o sacrifício do homem
O vôo do ceifador – Ele aterrisa em sua terra prometida
Nosso curador fúnebre – Aperta a Terra com uma mão esquelética

II) Túnel Da Morte

Parte 5 (Sinos Do Alarme No Paraíso)
I) Lamentar De Um Amanhecer Pausado

O amanhecer se arrasta
Enquanto a noite se retira
Sol orquídea
Se ergue, pausado

II) Nascer Do Sol Da Bulbophyllum Negra
Bulbophyllum Barbigerum
Purpureorchis Dyanum
Dendrochilum Cobbianum
Orchis Mascula

Saia do vale das orquídeas violetas
Saia do vale das orquídeas violetas

Parte 6 (Saia Do Vale Das Orquídeas Violetas)
I)
Através dos pastos concretos da vida
Você atravessa o vale da morte
Junta-se de novo a cômica procissão horrenda
Que você achou ter deixado

Orikifirus manda velórios pra baixo
Do reino do nosso sol que morreu
Prostitutas do esquecimento agora são levadas
Para sua terra prometida

II) Correntes Da Mortalidade
Queimando nas chamas da piedade e da vergonha
Um existência pura, divina não pode renascer de novo

Para sua virtude, não tem recompensa nenhuma
Grandes ilusões de um paraíso falharam

Quebra-se a corrente esquelética, pensamentos renascem de novo
Destituído da vida que arde – Uma existência profana

Celebrando nossa liberdade
Nessa prisão do reino de Deus

Parte7 (i.e. Part 2)
c)
De Volta No Jardim
Sol sem fogo, planeta parece um necrotério
Mentes mortas agora controlam-no

Nós escolhemos aceitar a terra de Deus
Será esse o nosso paraíso? – O jardim dos prazeres antinaturais

Parte 8 (Piscina De Mentes Adormecidas)
Em aberto.

Parte 9 (Fim Dos Tempos)
Soldados agora andam pelas ruas tão frias
Paredes de concreto, prédio escuros pesam
Nosso jardim ficou cinza, a beleza dele foi-se embora
A Terra virou uma tumba para o caminho da natureza

As sementes da decadência cresceram nos dias de hoje
O fim dos tempos chegou – Toda a luz desaparece

Proga-Europa (Jennings/Dorrian/Dixon/Smee)
This hidden track was based on an old Coke Cola ad in which the song is played by The Who maybe and they keep repeating Coke Cola, Coke Cola endlessly. The Cathedral guys so came up with the idea of say loads of 70's prog bands instead of Coke Cola.

Earth And Fire, Cosmic Dealer, Supersister Armageddon, Nosferatu, Gift

Proga-Europa(Jennings/Dorrian/Dixon/Smee)
Nessa música, Lee canta o nome de várias bandas de progressivo da Europa. Algumas são compreensíveis, mas a maioria é falada com aquele sotaque bizarro do cara.

Earth And Fire, Cosmic Dealer, Supersister
Armageddon, Nosferatu, Gift

2 comentários:

Paulo disse...

Jeff meu caro, parabéns pelo trabalho nas traduções. Achei do caralho as letras do Garden..!! Realmente, por mais óbvio que isso seja, não custa lembrar que dá outra dimensão saber o que o Lee ta cantando..cheers bro

Edvan Fontenele disse...

Caralho! Achar postagens do Cathedral com letras e ainda tradução.... e´raro. Muito Bom!